Diretor afastado depois de revista vexatória não comenta o caso

(Foto: Reprodução)

Em busca de drogas, 35 alunos do 9º ano do colégio militar da cidade de Goiás foram obrigados a ficar nus na frente de policiais

O diretor do Colégio Militar João Augusto Perillo, major Neosil Vicente Ferreira, afastado do cargo depois da denúncia de que alunos do 9º ano da escola teriam sido submetidos à revista vexatória, afirmou que só vai se manifestar sobre o ocorrido na hora certa. “Já expliquei tudo para minha comandante e vou esperar a hora certa para falar”. Questionado se seu afastamento foi justo, ele disse que não iria comentar.
O major e os dois policiais que participam da revista, um subtenente e uma sargento, foram afastados pelo Comando Geral da PM e um novo diretor já teria sido nomeado, segundo a assessoria de imprensa da PM. Mas ainda não foi anunciado. Na nota na qual informa sobre os afastamentos, o Governo de Goiás destaca que foi determinada “a imediata instauração de procedimento administrativo, objetivando apurar os fatos relatados pelos alunos submetidos à busca pessoal”.
O caso aconteceu na cidade de Goiás, que fica a 140 km de Goiânia. Segundo o conselheiro tutelar que recebeu a denúncia, Dionísio Teodoro dos Santos, a revista ocorreu na sexta-feira, 18, dentro dos banheiros da escola. Um policial masculino fez a revista nos alunos e uma policial nas alunas. Segundo Santos, 35 adolescentes foram obrigados a ficar nus e agachar na frente dos policiais, que procuravam drogas.
A primeira denúncia foi feita no sábado, 19, pela mãe de uma das alunas, segundo o conselheiro; na segunda-feira, outra mãe buscou o Conselho Tutelar para denunciar a revista e outras cinco mulheres ligaram para relatar a mesma história, “mas não quiseram se identificar”, conta Santos. Segundo o conselheiro, não foram encontradas drogas durante a revista.
O conselheiro conta esteve no colégio e chegou a conversar com o diretor Neosil Ferreira. “Ele me disse que a revista aconteceu com a permissão dos alunos, que não têm autonomia para dar essa permissao.” Isso consta do relatório que o conselheiro encaminhou ao Ministério Público, que já abriu procedimento para investigar o caso.

Nota na integra:
Em relação à reclamação de revista em alunos, o Comando Geral da Polícia Militar determinou o afastamento imediato do Diretor e de mais dois policiais militares do Colégio da PM João Augusto Perillo, localizado na cidade de Goiás, assim que foi informado do caso. Determinou-se, também, a imediata instauração de procedimento administrativo, objetivando apurar os fatos relatados pelos alunos submetidos à busca pessoal. A Assessoria de Comunicação da Polícia Militar do Estado de Goiás informa, ainda, que o Comando da Instituição já nomeou um novo Comandante/Diretor da referida unidade escolar.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here