Queimadas na Amazônia já podem ser vistas do espaço, mostra Nasa

Entre 2000 e 2017, a Amazônia brasileira perdeu mais de uma Alemanha em área de floresta. (Foto: Bruno Kelly/Reuters)

O presidente sugeriu ontem que ONGs estariam por trás dos incêndios, enquanto o Ministro da Ambiente apontou um “sensacionalismo ambiental”

Fotos divulgadas nesta quinta-feira (21) pela agência espacial do Estados Unidos, a Nasa, mostram que as queimadas que atingiram a Amazônia podem ser vistas do espaço. As imagens foram capturadas pelo satélite Aqua.

De acordo com a agência, “o número dos incêndios pode ser um recorde” e a fumaça que aparece nas fotos é o resultado disso. Segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), entre janeiro e agosto deste ano, as queimadas aumentaram 83% em relação ao mesmo período do ano passado — o que representa o maior número registrado nos últimos sete anos, com 72.843 pontos de incêndios.

Outros dados do sistema de alertas em tempo real Deter, divulgados também pelo Inpe, mostram um aumento de mais de 40% nos alertas de desmatamento entre agosto e julho. O mês passado registrou o pior número de alertas de perda de floresta para um mês na série histórica, referentes a 2.254,9 km². No mesmo mês em 2018, o índice foi de 596,6 km², um aumento de 278%.

A Nasa afirma, em nota, que, embora a atividade de incêndios florestais tenha aumentado no Amazonas e em Rondônia, está abaixo da média em outros estados, como o Mato Grosso e o Pará. Mesmo assim, o fogo já consumiu mais de 20 mil hectares de vegetação.

Há uma semana atrás, no dia 14 de agosto, fazendeiros do sul do Pará anunciaram o “dia do fogo” como uma maneira de “mostrar trabalho para o presidente Jair Bolsonaro”, o Inpe registrou um aumento nos focos de incêndio na região.

*Com informações do site Exame

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here