Operação Arapuca afasta policiais, escrivães e advogados por suspeita de extorsão

Os suspeitos teriam participação em um esquema que extorquia pessoas supostamente envolvidas com atividades ilegais

Nove agentes e escrivães da Polícia Civil foram afastados de seus cargos suspeitos de extorquir pessoas que supostamente estavam envolvidas com atividades ilícitas, além de três advogados que tiveram as atividades profissionais suspensas por estarem envolvidos no esquema. O grupo foi denunciado durante a Operação Arapuca, deflagrada pelo Grupo de Controle Externo da Atividade Policial (GCEAP) e Centro de Inteligência (CI), em agosto do ano passado.

Segundo as investigações do GCEAP e do CI, os policiais Luiz Carlos de Melo, Ironilson Martins da Rocha, Elvis Carlos Pimentel Machado, Uallyson Nogueira Rodrigues, Jurcelino Melo de Barros e Adriano André Gama de Resende, com a ajuda de Danilo César Approbato, Adriano Soares da Silva e Eduardo Gomes de Faria prendiam e conduziam pessoas ao Distrito Policial para extorqui-las.

A escrivã Márcia Rodrigues de Sousa colhia as declarações dos detidos e expedia notificações forjadas, sem a formalização de inquérito policial, recebendo parte do dinheiro recebido indevidamente. Os advogados envolvidos no esquema, Juliana Ferraz, Jorge Correia e Guaracy Branquinho, prestavam assistência jurídica falsa, pressionavam as vítimas a pagar as quantias exigidas nas falsas notificações.

A juíza Placidina Pires, da 6ª Vara Criminal de Goiânia, que recebeu denúncia do Ministério Público de Goiás (MP-GO), proferiu a decisão, de afastamento alegando que as condutas são graves e que o grupo agia de forma estruturada, ramificada e infiltrada na polícia judiciária.

Em suas ações, a organização utilizava dependências das Delegacias de Polícia, viaturas policiais e armas de fogo para simular prisões, a fim de extorquir pessoas supostamente envolvidas com atividades ilegais, tais como a venda de falsos diplomas, medicamentos controlados, drogas e cheques falsificados.

Texto com informações da assessória do Ministério Público de Goiás (MP-GO).

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here