Começa na próxima segunda-feira, 11 de fevereiro, a fase de testes do CITYBUS 2.0. O transporte coletivo por aplicativo de celular, um serviço da HP Transportes, passou por mais de dois anos de estudos para chegar às ruas de Goiânia. O novo serviço complementar vai rodar, inicialmente, pelo Centro Expandido da capital, que compreende 11 bairros: como os Setores Central, Sul, Oeste, Marista, Bueno, Bela Vista, Serrinha, Nova Suíça, Jardim Goiás, Universitário e Aeroporto. A frota inicial é de 14 miniônibus, que poderá ser aumentada, caso haja demanda nestes seis meses de projeto piloto. O aplicativo CITYBUS 2.0 pode ser baixado de qualquer loja de celular a partir do dia 10 de fevereiro.

O CITYBUS 2.0 é um projeto que nasceu a partir de pesquisas feitas pela HP Transportes que identificou queda de usuários no transporte coletivo convencional. O estudo refletiu um desejo do consumidor pela escolha de suas próprias rotas e viagens mais curtas, que atualmente, não são contempladas pelo serviço de transporte comum.
Neste contexto, surgiu o CITYBUS 2.0 para atender a uma demanda da sociedade, mas também para dar sua contribuição à mobilidade na nossa capital. Por dia, os 14 miniônibus podem tirar até 650 carros das ruas. A HP quer trazer uma reflexão sobre o papel de cada cidadão para com a cidade e a sua responsabilidade com a mobilidade. Um mundo melhor é coletivo, as cidades são de todos e o transporte impacta na mobilidade e no bem-estar da saúde, de seus habitantes e das cidades, também. Por isso, o CITYBUS 2.0 é uma oportunidade para quem ainda não é usuário do transporte coletivo, aderir a este movimento em prol da mobilidade.

APLICATIVO
O APP se chama CITYBUS 2.0. Para baixá-lo, basta entrar na loja de celular e baixar o APP gratuitamente. O CITYBUS 2.0 possui versões para iOS e Android. É necessário fazer um cadastro, aceitar as condições de uso e o usuário já pode começar a usar. O aplicativo do CITYBUS 2.0 já estará disponível a partir do dia 10 de fevereiro.

Depois de baixar o APP e fazer o cadastro, o usuário já pode solicitar a viagem. No mapa, há identificação dos locais de partida e de destino. O APP vai indicar um miniônibus disponível. Em seguida, vai direcionar o usuário para o ponto virtual mais próximo dele para que possa pegar o mini ônibus. Como o serviço é coletivo, o usuário terá que se deslocar alguns metros para pegar o transporte. O ponto virtual é identificado na plataforma, assim, como o mini ônibus e o motorista. Ao entrar no veículo, ele será identificado e seguirá viagem até seu destino.

Tarifa e pagamento
O valor é R$ 2,50 variável pela distância percorrida. Como ele é flexível e será calculado pela distância percorrida ao solicitar a viagem, o aplicativo fará o cálculo total do descolamento e informará o usuário. Mas, em viagens de até 5 km, o valor a ser pago poderá ser aproximadamente 30% mais barato que nas viagens pelos aplicativos de transporte individuais.
O pagamento pode ser por cartão de crédito cadastrado no APP ou em dinheiro. O pagamento em cartão de débito não será aceito nesta fase de teste.

Horário e dias de funcionamento
O CITYBUS 2.0 vai funcionar nesta fase de teste de segunda-feira a sábado das 6 às 23 horas.

Projeto internacional de fotografia contempla crianças da comunidade Terra do Sol, em Aparecida de Goiânia.

As crianças irão fotografar o seu contexto e as fotos serão expostas ao público no Shopping Bougainville, em Goiânia, e em Londres

Dar voz às crianças e adolescentes que vivem em comunidades marginalizadas através da fotografia é o objetivo do Projeto Eyes of the Street (Olhares da Rua), que nasceu em Londres, fundado por uma goiana, a antropóloga e empreendedora social, Giselle Barboza, e o jornalista e professor de fotografia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Daniel Meirinho.

O projeto teve início no Brasil em 2015 e já passou pelo estado de Pernambuco, Rio de Janeiro, Guiné-Bissau, no oeste da África, e Portugal. No dia 18 de fevereiro, o Projeto ‘Olhares da Rua’ chega à região metropolitana de Goiânia, na comunidade Terra do Sol, que fica localizado entre o aterro sanitário da cidade de Aparecida de Goiânia e o Complexo Prisional do Estado. Dez crianças moradoras da comunidade Terra do Sol foram selecionadas pela organização comunitária, um dos critérios do projeto, de maneira que as atividades oferecidas pelo projeto não interfira nas agendas escolares das mesmas e é totalmente gratuito.

A goiana Giselle Barboza, antropóloga, empreendedora social e idealizadora do projeto Olhares da Rua | Foto: Divulgação

O projeto, que usa a fotografia como ferramenta de transformação social, oferece a oportunidade para os participantes refletirem sobre suas problemáticas e oportunidades, além de apresentar suas realidades a partir de uma percepção própria, longe de olhares estereotipados. Dentro da programação de atividades do projeto estão cinco dias de oficinas de fotografia, programadas para ocorrerem entre os dias 18 e 22 de fevereiro, das 14h às 17h, na própria comunidade.

O projeto funciona assim: os jovens participam de uma imersão criativa, recebem câmeras fotográficas para fotografar o seu contexto de acordo com o tema mais latente, que é definido pelos próprios jovens logo no primeiro dia. Um dos temas que Giselle sempre traz para dentro das oficinas é o uso da fotografia de forma ética.

“Apresentamos uma metodologia pedagógica para ajudar os participantes a entender que a fotografia é uma relação de troca de afetos, expomos algumas regras de como fazer a fotografia, uma delas é pedir permissão para as pessoas, externando a experiência da doação da fotografia. Ou seja, não é o fotógrafo que tira a foto e sim o fotografado que doa sua imagem”, esclarece Giselle.

Além das rodas de conversa sobre fotografia, haverá também palestras sobre sustentabilidade e comunicação interpessoal, temas estes que serão abordados respectivamente por Camila Storti, uma das fundadoras da Abissal e Alline Jajah, diretora da Jajah Marketing, ambas parceiras do projeto.

O público poderá conferir a produção das crianças em uma exposição das fotografias agendada para o dia 23 de fevereiro no Shopping Bougainville. E por fim, haverá uma outra exposição das imagens na Embaixada do Brasil, em Londres, com data a ser definida.

Essa será a sexta edição do projeto, que já beneficiou 103 pessoas, treinou 7 líderes comunitários para continuar o projeto, doou 29 câmeras fotográficas e gerou 28 exposições no Brasil, Portugal, Guiné-Bissau e Londres. O projeto também foi tema do Festival Internacional de Fotografia em Parati, no Rio de Janeiro, em 2016 e 2018, no Festival Todos em Lisboa; foi apresentado no ALAS (Latin American Sociological Association) Congress no Uruguai em 2016 e teve uma publicação pela revista acadêmica brasileira de estudos de mídia ‘Fronteiras’ intitulado: Fotografia participativa e relações de gênero: uma experiência visual com mulheres guineenses.

Making of do projeto Olhares da Rua, no Rio de Janeiro, sob o olhar da fotógrafa Andressa Milanez

Construção civil em debate

O presidente da Associação das Empresas do Mercado Imobiliário de Goiás (Ademi-GO), Roberto Elias, participará de café da manhã com deputados federais, senadores e representantes da construção civil, na próxima quarta-feira (13), em Brasília. O encontro, organizado pela Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), visa promover uma aproximação da bancada federal com o setor da construção, além de proporcionar o debate sobre as reformas necessárias para o País.

Roberto Elias, presidente Ademi GO | Foto: divulgação

Celebração

A Queiroz Silveira Incorporadora completa 20 anos em 2019. Sob o comando dos gêmeos Rodrigo e Rogério Queiroz da Silveira, a empresa foi uma das pioneiras em Goiânia no lançamento de projetos mixed used. Nessas duas décadas no mercado, foram 11 empreendimentos entregues entre prédios residenciais, loteamentos, torres corporativas e shoppings. O último deles foi o Panoramic Residence, entregue no final do ano passado, no Setor Universitário. Para este ano de celebração, um dos principais projetos da incorporadora é o lançamento, juntamente com a ABL Prime e a Atmo Desenvolvimento Imobiliário, de um complexo imobiliário que promete ser um marco urbanístico para Anápolis. O empreendimento será o primeiro mixed use da cidade voltado para o segmento de saúde, que contará com consultoria do Sírio Libanês.

Rodrigo e Rogério Queiroz |Foto: Letícia Coqueiro

Permuta

Época de carnaval, portanto, é tempo de festejar, mas também de lucrar, e essa mesma lógica vale para o mercado de permutas, em que inúmeros produtos e serviços relacionados com o período podem ser negociados sem o uso de dinheiro. De hotéis e pousadas em destinos turísticos, à confecção de fantasias e adereços, o que não falta são opções para faturar com a festa, que este ano ocorrerá de 2 a 5 de março.

De acordo com Rafael Barbosa, diretor e fundador da XporY.com, plataforma digital de permutas multilaterais com mais de 5.200 inscritos, serviços como diárias em pousadas, locação de apartamentos para temporada e confecção de fantasias estão entre os mais procurados nessa época de carnaval. “Com o sistema de permutas, quem contrata os serviços economiza, pois pode curtir o carnaval sem gastar dinheiro em espécie, e quem tem um tempo de serviço ou bem ocioso, como um imóvel ou um carro, a permuta é uma boa forma de empreender”, afirma Barbosa. A XporY.com trabalha com a moeda virtual X$, e cada unidade de X$ equivale a uma unidade em R$, isto é, X$ 1,00 = R$ 1,00.

Construtora compartilha experiência do mercado com mais de 2 mil estudantes

Com a experiência de quase quatro décadas de mercado, a MRV Engenharia abriu as portas da companhia para receber estudantes de todo o Brasil, inclusive de Goiás, onde 30 alunos do Instituto Federal de Goiás (IFG) visitaram, em 2018, o canteiro de obras do condomínio Gran América, em Aparecida de Goiânia. A ida ao residencial ocorreu dentro do programa Portas Abertas, voltado a alunos do ensino técnico e universitário, com o objetivo de compartilhar o dia-a-dia da empresa e apresentar sua forma de construir o sonho de milhares de brasileiros. Mais de 2 mil alunos de 37 cidades do Brasil, entre elas, Goiânia, já visitaram as obras da construtora e tiveram a oportunidade de ver de perto seus métodos construtivos, as inovações adotadas em seus processos e a gestão sustentável praticada.

Segundo Homero Paiva, diretor executivo de Produção da MRV, o objetivo desse projeto é agregar ainda mais valor à formação dos futuros profissionais, inspirando jovens estudantes a continuarem construindo o setor da construção civil. “Por meio do programa podemos contribuir efetivamente com o desenvolvimento de quem logo serão os profissionais do nosso mercado, apresentando um pouco da nossa história e experiência”, reitera.

Foto: Divulgação

As instituições de ensino interessadas podem solicitar a visita para uma das mais de 150 cidades em que a companhia tem obras por meio do site oficial do programa, no mrv.com.br/portasabertas.

Seleta apresenta a Cachaça Buteco do Gusttavo Lima em Goiânia

Inspirada em um dos maiores ídolos do sertanejo no país, a bebida é feita a partir de canas escolhidas criteriosamente e envelhecidas em tonéis de Umburana, suave e robusta no sabor.

A Seleta, a cachaça mais querida do Brasil, desenvolveu um lançamento especial para os fãs da marca e de um cantor considerado a “avalanche do sertanejo universitário”.

A empresa fez uma parceria e está lançando a cachaça Buteco do Gusttavo Lima, no próximo dia 12 de fevereiro, em Goiânia. O nome do rótulo foi inspirado na turnê atual que está sendo divulgado pelo cantor e que já rendeu dois álbuns.

A bebida feita em sua homenagem é produzida a partir de canas escolhidas criteriosamente e envelhecidas em tonéis de Umburana, sendo suave e robusta no sabor. Além disso, quando degustada, desce agradavelmente na boca, causando uma sensação única de prazer.

“Temos em nossa trajetória o licenciamento de produtos que envolvem importantes personalidades e eventos, como é o caso da cachaça Luiz Gonzaga, Rock in Rio e Festa do Peão de Barretos. Estamos muito felizes de apresentarmos ao mercado um rótulo que homenageia o cantor Gusttavo Lima, que é um grande influenciador e ídolo de milhares de brasileiros, como é o caso da Seleta”, comenta Daniela Rodrigues, Diretora de Marketing da Cachaça Seleta.

Com um rótulo marcante, a bebida vem em garrafa de 670ml e possui 42% de teor alcoólico. O produto pode ser adquirido nas principais adegas e lojas virtuais especializadas em cachaça.


DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here