Entre os vetos está o projeto de lei que limita em 15% o teto para reajuste do IPTU

O presidente da Câmara Municipal de Goiânia, Romário Policarpo (PROS) convocou os vereadores para uma sessão extraordinária, na qual analisaram 18 vetos do prefeito Iris Rezende. Entre os projetos vetados pelo prefeito está o autógrafo de lei que regula a planta de valor dos imóveis. Também o que dispõe à prefeitura a obrigação do fornecimento de medicamentos de alto custo em Goiânia a serem entregues sem interrupção e em quantidade prescrita conforme receita médica. O prefeito vetou também o autógrafo de lei que determina visitas anuais nas pontes e viadutos da capital.

A sessão começou com 14 vereadores ausentes: Clécio Alves (MDB), Anselmo Pereira (PSDB), Andrei Azeredo (MDB), Carlin Café (PPS), Elias Vaz (PSB), Izídio Alves (PR), Jorge Cajuru (PRP), Juarez Lopes (PRTB), Kleber Morais (DC), Oseias Varão (PSB), SGT Novandir (PODEMOS), Tiãozinho Porto (PROS), Vinicius Cirqueira (PROS), Welington Peixoto (MDB)
e Zander Fabio (PATRIOTA)

O projeto foi aprovado com 20 votos favoráveis. Nenhum vereador votou contra. O Presidente da Comissão de Justiça Vereador Eduardo Prado comemorou a vitória. “Uma vitória para nós, uma vitória para a sociedade porque a gente luta por isso tem muito tempo. Desde a época do puxadinho. Agora pedimos que o prefeito aceite a decisão da Câmara, os vereadores são os representantes legítimos do povo. E que deixe o projeto seguir”, enfatizou o Vereador Eduardo Prado .

Na sessão, ainda seriam analisados outros 17 vetos, mas após a primeira vitória dos parlamentares, vários vereadores deixaram o plenário. E, por falta de quórum, a sessão foi remarcada para o dia 05 de fevereiro.