Cerca de 2 mil professores e servidores participaram do ato de greve, segundo Sintego

A Prefeitura alegou que "conseguiu implementar vários benefícios para os servidores". (Foto: Reprodução)

A greve ocorreu no último dia 22, na Câmara Municipal de Goiânia, em resposta a votação da Reforma do Instituto de Previdência do Servidor Municipal (IPSM)

A categoria reedifica em greve, o não pagamento da data base dos servidores do administrativo 2015/2016, o reajuste do piso salarial dos professores de 2018, atrasado dês de janeiro. Além do não cumprimento do plano de carreira dos professores do administrativo da prefeitura, citados no projeto de reforma da previdência dos servidores município.

O projeto já está em sua segunda versão com algumas emendas propostas pelos representantes do conselho que atua na IPSM, mas das 32 emendas levantadas pelo conselho, as mais relevantes, segundo o sindicado, para a categoria não foram aceitas.

“Ou aceita todas as emendas ou a gente exige o arquivamento do projeto como um todo, já conseguimos arquivar a primeira versão, por preção do sindicato e junto aos vereadores junto ao Comissão de Constituição e justiça (CCJ), só que o prefeito propôs uma segunda versão com os mesmos postos e alguns pontos até piorando as condições do projeto. Ainda estamos em discussão”, declara em entrevista o Napoleão Batista Secretário de Imprensa do Sintego.

A Prefeitura de Goiânia, por meio de nota esclarece que esta respeita o a o direito de manifestação dos servidores e reitera que está aberto ao diálogo. A nota ainda cita que a “Prefeitura conseguiu implementar vários benefícios para os servidores, tais como o pagamento das progressões verticais e horizontais, o adicional de 30% aos auxiliares de atividades administrativas, além do chamamento de todos os aprovados no concurso de 2016”.

Uma nova audiência está marcada para próximo dia 29 de agosto, na Câmara Municipal para dar um parecer sobre o projeto. “Se o impasse não for resolvido e provável que teremos uma greve geral no município”, afirma Napoleão.

Com informações do estagiário Kentenich Silva, orientado pela jornalista Dhayane Marques.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here