LIGA DAS NAÇÕES DE VÔLEI MASCULINO: Zaytsev faz a festa, arrasa defesa, e Brasil cai para a Itália na Liga das Nações

No início, um desempenho exemplar. Aos poucos, porém, as falhas saltaram aos olhos. Na reedição da última final olímpica, o Brasil se mostrou instável contra a Itália. Venceu o primeiro set com autoridade, mas passou a sofrer com Zaytsev, o astro “bad boy” dos rivais. A seleção de Renan Dal Zotto ainda conseguiu, na marra, forçar o tie-break. Mas a reação parou por ali. No fim, os italianos impuseram a primeira derrota dos brasileiros na Liga das Nações: 3 sets a 2, parciais 18/25, 25/19, 25/21, 24/26 e 15/8.

Zaytsev foi o grande nome do jogo. Terminou a partida com incríveis 32 pontos – só foi ser parado pelo bloqueio brasileiro no quarto set. Juantorena, outro craque italiano, também foi bem: 17 pontos. Pelo Brasil, Maurício Borges, com 19, e Evandro, com 17, apesar de irregulares, foram os principais jogadores.

Renan quis usar o jogo para fazer mudanças. Foi à quadra com um time diferente da estreia. Murilo, Maurício Souza e Wallace deram seus lugares a Thales, Isac e Evandro. Todos começaram bem. Mas, como todo o time, sofreram com a instabilidade durante a partida.

– Itália fez uma partida brilhante. Temos que ver nosso time. Nos poucos momentos que forçamos o saque, eles souberam jogar com bola alta. Muita afobação na hora de partir na transição de toque para ataque. O bloqueio tocou bastante na bola, mas foram só seis pontos de bloqueio. Vamos ajustar e melhorar para o próximo jogo. É sempre pontuar. Queremos vencer. Mas, quando mexemos na estrutura do time, precisamos ajustar algumas peças – disse Renan Dal Zotto.

A seleção brasileira volta à quadra neste domingo. Em busca de sua segunda vitória na Liga, a seleção encara a Alemanha em Kraljevo. Os times se enfrentam às 11h, com transmissão do SporTV2 e cobertura em Tempo Real do GloboEsporte.com. A Itália vai à quadra mais tarde, às 14h, contra a Sérvia.

Foi um início acelerado. Dos dois lados. O Brasil não sentiu as mudanças na equipe do dia anterior e abriu vantagem. Chegou à primeira parada técnica com três pontos de diferença (8/5). Mas a Itália também tinha suas armas. Com Zaytsev e Juantorena, os europeus logo chegaram ao empate (12/12). Evandro, porém, estava inspirado. O oposto do Cruzeiro fez o Brasil voltar a disparar. Léo, grande aposta de Renan Dal Zotto para a temporada, entrou para fechar a conta da parcial, com uma pancada no saque: 25/18.

Na volta à quadra, o Brasil seguiu sofrendo com as pancadas de Zaytsev. Àquela altura, sem conseguir parar o atacante italiano e sem pontuar, o bloqueio brasileiro não funcionava. A Itália, então, aproveitou para disparar. Abriu 7/3 e jogou a pressão para os rivais. Renan chegou a pedir dois tempos quase que seguidos, mas a vantagem italiana só aumentou (13/6). Até o fim, o Brasil pouco ameaçou. Depois de uma pancada de Juantorena, o árbitro deu bola fora, mas a Itália pediu desafio. Com razão. No desvio na mão de Douglas Souza, vitória italiana: 25/19.

O Brasil melhorou na volta à quadra. Depois de um ace de Lucão e uma pancada de Evandro, o Brasil abriu 8/5 na parada técnica. Mas a Itália acordou. Com Juantorena no saque, logo encostou. O maior problema para os brasileiros, porém, seguia sendo Zaytsev. O bad boy, sem ser incomodado pela marcação rival, fez sua seleção chegar a 13/10 no placar. O Brasil, então, se perdeu de vez. Em uma sequência espetacular, Nelli marcou em três aces e deixou a Itália muito perto da vitória no set. O bloqueio brasileiro ainda funcionou pela primeira vez, com Evandro. Mas Zaytsev fechou a conta: 25/21.

O bloqueio brasileiro, enfim, pareceu engrenar. Foram dois seguidos, justamente sobre Zaytsev, que ainda não havia sido parado. O jogo, àquela altura, equilibrou. A Itália se manteve à frente no placar, mas o Brasil seguia de perto – chegou a empatar em ataque de Lucão (13/13). Lipe, que entrou muito bem, deu nova vida à seleção. A Itália chegou a disparar por um momento, mas os brasileiros voltaram a empatar na reta final – 22/22, em bloqueio do ponteiro. O time de Renan tomou a frente em uma virada incrível e ganhou força para o tie-break: 26/24, em ponto de Wallace, veja só, em bloqueio.

A reação, porém, se esgotou no fim do set anterior. No tie-break, Zaytsev voltou a brilhar. Os brasileiros lutavam, mas pouco conseguiam fazer. Logo, os italianos abriram 9/4 – e a virada ficou praticamente impossível. Giannelli fechou a conta: 15/8.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here